Saúde: confira as propostas dos candidatos à Prefeitura do Natal para o setor

Saúde: confira as propostas dos candidatos à Prefeitura do Natal para o setor

Ao município, na área de saúde pública, cabe o atendimento primário. Para isso, a Prefeitura deve aplicar no mínimo 15% dos recursos próprios em ações e programas do Sistema Único de Saúde, além dos repassados pela União e do Estado. Em Natal, a estrutura da rede municipal conta com 6.740 profissionais, dos quais 5.136 são servidores efetivos da Secretaria de Saúde, l.606 trabalhadores temporário e 257 contratados de cooperativas.

O desafio a ser superado pelo prefeito escolhido pelos eleitores de Natal, após o enfrentamento da covid-19, é oferecer atenção básica em todo o território do município.

Veja, abaixo, o que os candidatos a prefeito apresentaram nos programas de governo que registraram na Justiça Eleitoral.

Programas de governo:

Álvaro Dias (PSDB)

“Iremos cobrar da União e do Estado uma participação mais efetiva no financiamento da Saúde e buscar ganhos na gestão, eliminando desperdícios e buscando mais eficiência.Neste eixo traçamos algumas metas definidas pela equipe técnica da Saúde como prioritárias, entre as quais gostaria de destacar a construção de um hospital municipal em terreno já definido em frente a UPA do Satélite com 240 leitos, dos quais 60 leitos de internação clínica, 40 leitos de cirurgia geral, 50 leitos de pediatria, 50 leitos de obstetrícia, 20 leitos de UTI Adulto, 10 leitos de UTI Neonatal e 10 leitos de UTI Pediátrica. Criar o Centro de Referência em Doenças e Condições Crônicas – a criação desse dispositivo de saúde tem a proposta de estabelecer uma linha de cuidados para pacientes das doenças crônicas que causam mais mortes em adultos, de modo a acolhê-los e prestar atenção integral a esse usuário.”

Kelps Lima (Solidariedade)

“O Município, apesar de absorver a demanda dos moradores de Municípios vizinhos por serviços de saúde, com eles não pactua qualquer contrato de cogestão ou consórcio intermunicipal na área de saúde. Subordinação da saúde ao projeto global de gestão em dois sentidos, gestão da saúde por resultados e indicadores e vigoroso programa de saúde o trabalhador visando preservar sua saúde e aumentar sua produtividade. Pactuar com toda a Região Metropolitana, a prestação de serviços de saúde, inclusive quanto a formas de financiamento, através da formalização de parcerias, consórcios e experiências de cogestão para otimizar a prestação dos serviços, inclusive à população dos municípios vizinhos, e reduzir o impacto dessa demanda nos Orçamentos Municipais.”

Delegado Leocádio (PSL)

A rede básica de Saúde de Natal trabalha cotidianamente com falta de medicamentos, insumos, infraestrutura e operação, além de um sistema notadamente arcaico e carente de gestão. Precisamos dotar toda a secretaria e suas ações de uma transformação digitalcom finalidade de oportunizar a gestão a saúde publica municipal, tudo com acompanhamento em tempo real. Não propomos o invento ou projetos megalomaníacos que não saem do papel e consumem esforços que são verdadeiros desperdícios. Empreenderemos medidas para Telemedicina, prontuário eletrônico unificado e implantar centros de especialidades médicas para expansão das consultas e exames especializados para diminuir filas e tempo de espera existente atualmente em diversas especialidades médicas.”

Hermano Morais (PSB)

“A saúde é uma prioridade nos municípios. A área está sempre entre os dois maiores centros de custo, empregando também parte considerável dos recursos humanos da gestão municipal. A mensagem é clara: hoje e sempre, a saúde é um setor decisivo na agenda eleitoral e no sucesso de uma gestão municipal. decisivo na agenda eleitoral e no sucesso de uma gestão municipal. Melhorar a eficiência e transparência das contratações e aquisições de insumos com regras claras e competitivas pode representar a economia de milhões de reais, já que representam um gasto importante para o sistema de saúde do Brasil. Ademais, a transparência é crítica para reduzir a corrupção e incrementar a confiança dos cidadãos no SUS. É preciso modernizar o processo de gestão administrativa e de logística da central de abastecimento da saúde.”

Senador Jean (PT)

“A pandemia do coronavírus ressaltou a importância do SUS para os brasileiros e revelou os problemas enfrentados pela população e causados por uma gestão municipal que não prioriza a saúde pública. Além do fortalecimento da Atenção Primária e das Redes de Atenção à Saúde, propomos uma atualização tecnológica geral e medidas de aprimoramento inéditos para a Saúde Pública de Natal através da implantação de sistemas integrados de agendamentos, regulação, teleatendimentos e prontuário eletrônicos. O modelo de “Saúde 4.0” deve ser iniciado o quanto antes para prover agilidade aos atendimentos e universalidade, integralidade e equidade no atendimento à população. Fortalecer as cinco Redes de Atenção à Saúde (Cegonha, Atenção Psicossocial, Pessoa com Deficiência, Urgência e Emergência) para a construção do trabalho integrado e longitudinal.”

Carlos Alberto (PV)

É necessário que a Prefeitura de Natal apoie fortemente a atenção básica, investimento prioritário nessa área é capaz de reduzir em pouco tempo os gastos com saúde de média e alta complexidade. Para o pleno funcionamento da atenção básica, daremos as melhores condições de trabalho e infraestrutura aos agentes de saúde, que é o elo entre a população e a rede hospitalar municipal e até estadual, caso necessário for. De todas as políticas sociais, o oferecimento de serviços públicos de saúde é uma obrigação intransferível do poder público. Em nossa cidade,os hospitais e postos de saúde atendem precariamente, sem falar que a ingerência política atua fortemente, em claro confronto com os preceitos constitucionais.”

Coronel Hélio Oliveira (PRTB)

“Com 115 equipamentos municipais de saúde Natal já vivia problemas crônicos em seu sistema de saúde. A pandemia do COVID-19 agravou problemas como faltas de profissionais, insumos e equipamentos médicos e filas nos sistemas de regulação, e levou o sistema de saúde ao colapso. Para resolver problemas, o caminho está na parceria com as Forças Armadas, Corpo de Bombeiros, setor privado e Governo Federal, criação do programa “Corujão da Saúde”, que irá alugar clínicas e hospitais privados nos turnos da noite e madrugada para a realização de exames, buscando a redução na fila de espera; construção de um hospital-dia, dedicado a realização de exames, cirurgias e consultas sem caráter de urgência e emergência; adoção da gestão compartilhada da área de saúde com as chamadas Organizações Sociais (OS) e da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), com de políticas de transparência e compliance para evitar corrupção na área de saúde.”

Coronel Azevedo (PSC)

“A saúde é um dos principais problemas da sociedade brasileira. Há um problema de gerenciamento dos recursos dessa área, que fazem com que um sistema que deveria funcionar de forma eficiente, apresente tantas dificuldades. Essa cooperação pode se dar por meio de ajuda da União e do Estado, sobretudo porque a área da saúde requer investimentos altos, o que dificulta a situação dos municípios para agirem sozinhos nesse setor. Nosso compromisso com o povo de Natal é de fortalecer toda rede hospitalar do município e implementar um novo modelo de gestão da atenção básica, ampliando o Programa de Saúde da Família, melhorando as Unidades Básicas de Saúde, os atendimentos clínicos especializados, o atendimento de média e alta complexidade, além de ampliar o SAMU e outros serviços de saúde local.”

Afrânio Miranda (PODE)

“Melhorar a rede de saúde com critérios técnicos para cargos de direção de unidades, descentralizando e qualificando a gestão dos distritos sanitários. Abertura do consultório de rua para apoio às pessoas em vulnerabilidade, concurso público não será de forma generalizada. Haverá um foco para as áreas deficitárias no município, a pediatria e a infectologia possuem déficits que giram em torno de 30%. A informatização do processo de atendimento nas Unidades Básicas de Saúde e Unidades de Pronto Atendimento, tornará o serviço mais eficiente e inclusivo, diminuindo aglomerações e informações imprecisas. A implementação de tecnologias de controle e distribuição de medicamentos possibilitará eficiência e agilidade na destinação dos medicamentos e insumos às unidades de saúde que mais necessitarem.”

Fernando Freitas (PC do B)

“A política de Saúde em seu conceito amplo, buscará responder às necessidades da população de Natal, ampliando cuidados com os espaços conurbados possibilitando às pessoas boas condições de vida e acesso às ações, tecnologias e todos os serviços concernentes à área da saúde. Criação do Programa Municipal de Saúde em Casa e na Comunidade: Prevenir é melhor que remediar, por isso é fundamental o fortalecimento da atenção básica dotando-a de condições de realizar a prevenção, promoção e resolução dos problemas mais frequentes e a coordenação da atenção em todos os pontos da Rede, as ações preventivas devem ser prioritárias, fortalecendo as ações de vigilância em saúde, além de um plano que busque a cobertura de 100% do município por meio da Estratégia Saúde da Família.”

Nevinha Valentim (PSOL)

“Vamos otimizar a prestação dos serviços, inclusive à população dos municípios vizinhos, e reduzir o impacto dessa demanda nos Orçamentos Municipais. Valorizar os profissionais da saúde, garantindo condições dignas de trabalho, formação permanente em saúde salários dignos, pagamento em dia, fim da terceirização para atividades fins e cumprimento gradativo dos planos de carreira demandados pelas categorias. Democratizar a gestão e realizar eleição direta para gestores e administradores nas unidades, com participação dos servidores e da comunidade, conforme regras a serem debatidas e construídas coletivamente.”

Rosália Fernandes (PSTU)

“Garantir 25% da Receita Corrente Líquida de Natal para tirar a Saúde Pública do caos, porque hoje só se investe 17%. A realidade é que presenciamos ao longo dos anos, sucateamento, desmonte e fechamento de vários serviços de saúde. Nos últimos seis anos houve uma redução em 37% do número de leitos de internação infantil. Defendemos um SUS 100% público e estatal. O fim da privatização e da terceirização, porque transfere mais da metade do investimento da saúde para os bolsos dos empresários da saúde. Realização de auditoria em todos os contratos privados, contratação de todos os concursados e cadastro de reserva, e realização de um novo concurso público para suprir a necessidade de mais de seis mil servidores porque a falta de pessoal é o principal problema da saúde pública, especialmente nos serviços de média e alta complexidade.”

Jaidy Oliveira (DC)

“Vamos zerar as fila de exames e cirurgias com a realização de convênios com a rede particular de saúde; criar novos serviços de policlínicas para otimizar fluxo assistencial; fortalecer o centro especializado de atenção a saúde do idoso, atendimentos psicológicos e psiquiátricos com a realização de convênios com a rede particular de saúde para acompanhamento dos casos de depressão, automutilação, álcool e outras drogas; fortalecer os serviços odontológicos e implantar o serviço móvel de saúde e de odontologia com a inserção também do sistema oftalmológico, extremamente necessário, uma vez que o problema da visão é um dos principais fatores que dificultam o processo de aprendizagem do alunos e capacitar servidores para atendimento humanizado.”

Send a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *